terça-feira, 3 de abril de 2012

Cale-se

Dizem as más línguas que eu sou uma pessoa má.
Riem de mim. Sinto-me igual a Maysa “palhaço das perdidas ilusões, cheio dos risos falsos e da alegria”...
Por que riem de mim?
Gargalham sonoramente porque sou livre. Porque faço sexo livremente, não me incomodo com convenções sociais e não baixo a cabeça para padrões?
Caçoam-me porque sou livre. E é gente que se diz tão livre como eu...
E ai eu chego ao aconchego de meu lar e gargalho insistentemente... Não tem kkkk suficientes em meu teclado... Gente medíocre que se diz alternativa. Marxismo de armário. Kkkk
Fico abismada com um debate tão século XIX. Realmente provinciano.
Como alguém pode ser livre assim?
Eu faço sexo com quem eu quero, na hora que quero, no dia que sinto excitação, independente se vou ter uma relação de amor eterno. E o que é amor eterno? Alias quem disse que eu quero algo mais que uma transa de quem freqüenta minha cama?
Minha cama é coração de mãe. Ininterruptamente sobra lugar e é perversa. Demoníaca. Um pouco sal. Muito açúcar. Um mergulho em alto mar e na mais profunda escuridão. Preencho para passar o tempo. As vezes vale a pena e outras é pura deturpação do tempo.
Tenho convicção que a paixão é o papai Noel dos adultos, fica sempre entalada na nossa chaminé.  Não sou obrigada e não quero.
Mas o real motivo de tantas penalidades é o fato de eu ser mulher. Aliás, quem mandou nascer mulher? Os homens não sofrem essas restrições.  
O que me conforta é que a Simone de Beauvoir também passou por isso quando tentava superar as memórias de uma moça bem comportada – diga-se de passagem, o primeiríssimo texto do feminismo que li.
Riem de mim porque toda mulher que vive do jeito que sua libido pede esta fora dos padrões de normalidade. Foda-se a normalidade... foda-se você que não trepa,  goza,  erra, sofre...
Eu desejo a anormalidade. Eu quero mesmo é trepar, sofre e amar, seja por dois dias...por três segundos ou a vida inteira.



3 comentários:

  1. Estava "bisbilhotando" seu blog, fiquei inspirada e tive o atrevimento de lhe mandar isso (rsrsrsrsrs...):
    Elucubrações de uma tarde com Foulcault...
    Língua do “P” ou “sopa de letrinhas”:

    Poder/ Política/ Prazer

    Poder
    Padre/ Pudico/ Pastor/ Pecado/ Perigo/ Padecer/ Prisão / Pudor/ Perversão / Pedofilia/ Prepúcio /Perdão/ Paraíso

    Política
    Platão/ Pederastia/ Psique/ Penetração/ Parto/ Períneo/ Psicose/ Parir/ Preocupação/ Pílula/ Papanicolau/ Prevenção/ Pandemia

    Prazer
    Pegação/ Punheta/ Púbis/ Pele/ Pelos/ Peitos/ Pulsar/ Pompoir/ Piração/ Poesia/ Paixão/ Perfeição/ Psiu!

    Paulinha
    Juazeiro do Norte, 25/04/2012

    ResponderExcluir
  2. kkkkkkkkk...Essa minha amiga é uma graça...Morte aos invejosos...! Não me importo com o que as pessoas fazem de sua vida me incomodo com o que eu faço dela. Posso não concordar com algo que alguém faça mas não tenho
    o pode de me meter nisso...Abraços querida...

    ResponderExcluir